Como encher o bolso de dinheiro para depois viajar

Ganhe dinheiro importando produtos para depois viajar!

dropshippingRecentemente conheci um site que despertou minha atenção, foi o site sobre o curso Importador Profissional do Erick Oliveira, ele foi feito única e exclusivamente para aquelas pessoas que querem começar a revender e faturar alto com produtos importados na internet, e claro que não dispõem de muito dinheiro para montar seus estoques como as maiores lojas do mercado.

Sendo assim, ele mostra um método muito conhecido na internet que se chama Dropshipping, que consiste em um método onde você atua como intermediador nas compras internacionais, ou seja, seu cliente compra o produto de você que o comprou do fornecedor internacional e que enviará o produto diretamente para o cliente.

Neste método o seu lucro pode chegar até 300% em somente uma venda, dependendo do que você vai vender.

Apesar da demora na alfandega, o dropshipping ainda vale a pena, embora algumas técnicas sejam necessárias para manter um bom relacionamento com o clique para que não haja desistência da compra.

Contudo, começar um sistema de Dropshipping de forma organizada e profissional, não é uma tarefa muito fácil, por isso este treinamento “Importador Profissional” está decolando de tanto vender.

Neste site http://sejaimportadorprofissional.com você poderá acessar este excelente treinamento e de bônus ainda ganhar um surpresa espetacular.

No mais, veja neste vídeo mais dicas de como ganhar dinheiro trabalhando com importações e se dar muito bem neste mercado:

Link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=A_5FiCUL5r8

No mais, te desejo todo sucesso do mundo!!!

E até breve.

A partir de agora, viaje com mais segurança

Agora seu Seguro Viagem vale ouro nas coberturas

Seguro viagem Boa notícia para os amantes de viagens, agora sua viagem vai ficar bem mais protegida, pois, de acordo com a Superintendência de Seguros Privados, as despesas médicas, hospitalares e odontológicas passam a fazer parte das coberturas obrigatórias que deverão ser oferecidas aos consumidores na contratação do Seguro Viagem Internacional.

Nas viagens nacionais, essa cobertura será opcional. A mudança, aprovada pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) a partir de proposta de resolução feita pela Superintendência de Seguros Privados, deverá ser publicada no Diário Oficial na próxima semana.

 A decisão vai beneficiar milhares de pessoas em viagens nacionais e internacionais que passam a ter mais garantia de indenização na ocorrência de sinistro, principalmente envolvendo acidentes pessoais.

Anteriormente, o Seguro Viagem Internacional tinha apenas duas coberturas obrigatórias:

  • Casos de morte;
  • Casos de invalidez permanente.

Além das despesas médicas e hospitalares, que agora passam a ser oferecidas, a resolução determina ainda que, nos casos de viagem ao exterior, o seguro deverá cobrir também a volta do consumidor em caso de impedimento de retorno como passageiro regular; traslado médico e traslado de corpo.

 “As novas regras do Seguro Viagem Internacional vêm preencher uma lacuna do mercado e trazer mais segurança aos que pretendem contratar esse tipo de seguro”, afirma a Superintendência de Seguros Privados. Segundo ela, o normativo foi discutido exaustivamente com todos os interessados e uma das maiores preocupações era melhorar as regras do produto ampliando as coberturas. As despesas médicas e hospitalares, afirma Roberto, não eram oferecidas como seguro, mas como serviço de assistência, ficando fora da competência de supervisão da Superintendência de Seguros, o que causou vários problemas aos consumidores.

Sem a garantia das coberturas necessárias, vários consumidores descobriram em plena viagem que não tinham direito ao ressarcimento de despesas médicas, justamente quando mais necessitaram desses serviços.

Outro problema que acaba com a nova regulamentação é que ao contratar um Seguro Viagem Internacional, o consumidor passa a ter todas as informações necessárias sobre o produto ideal para o seu roteiro. Vários países exigem esse tipo de seguro com valores pré-determinados, como no caso da Europa, que após a assinatura do Tratado de Schengen estipulou o limite mínimo é de €30.000 (trinta mil euros) para turistas, e as seguradoras devem obrigatoriamente informar aos passageiros sobre essas condições.

Atualmente, as despesas médicas e hospitalares são ressarcidas através de um contrato de prestação de serviço assistencial que não é regulado e nem fiscalizado pela Susep. Dentro de um ano, no entanto, a partir da data de publicação da resolução, esses serviços passam a ser considerados seguros e só poderão ser comercializados por empresas do setor ou por seus representantes.

Veja o vídeo a seguir para tirar todas as suas dúvidas e depois acesse o site http://www.seuseguroviagem.com pois é o site que conheço que possui os melhores artigos sobre Seguro Viagem.

Fonte: Susep